segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Amigo secreto de Longe

Olá olá
Estou aqui hoje para postar o meu presente de amigo secreto deste ano.

A ideia é você fazer algo em homenagem à pessoa que você tirou no sorteio. Pode ser escrever uma história, cantar uma música ou até mesmo mandar algo para ela.

Ele acontecerá em algumas horas, estou postando aqui no blog para evitar transtornos mais tarde rs, nunca se sabe o que pode acontecer.

Bem, primeiro mando uma mensagem para todas ♥




Vou tratar do meu ano inteiro, não sei se terei tempo para fazer outro desses. Tentarei ser breve.

Desde quando eu comecei a publicar meu trabalho online por meio de fanfics, passei por várias situações e conheci muitas pessoas, tudo isso influenciou muito na Gisele que chegou nesse fim de ano (mentira, tudo ladainha).

Falando especialmente deste grupo, quando olho para cada uma vejo uma espécie de adaptação evolutiva diferente. Sabe aquele negócio de que tem planta que é de ambiente seco e planta de ambiente úmido? É mais ou menos assim. Cada uma deste grupo é o que realmente é: únicas, mas todas uns doces (exceto eu haha)... E espero que sigam o caminho escolhido por seus corações. Já disse alguém por aí “O tempo é curto demais para viver a vida dos outros.”

Beijo no coração de todas.

Vida longa e próspera!





E para meu amigo secreto tenho algumas coisas em especial para dizer.

Como o ano tem por volta de 51-52 semanas, listei 52 coisas que poderão ser trabalhadas neste próximo ano. São apenas algumas coisas que creio que fariam bem para o corpo e para alma.

  1. Veja o sol nascer; 
  2. Veja o sol se por; 
  3. Visite o mar; 
  4. Caminhe descalço na areia; 
  5. Plante algo que produza frutos comestíveis; 
  6. Plante uma erva medicinal; 
  7. Plante um pé de rosas; 
  8. Caminhe descalço na grama; 
  9. Fique descalço em casa; 
  10. Faça sexo; 
  11. Toque algum instrumento; 
  12. Escreva uma poesia; 
  13. Tome sorvete de passas ao rum; 
  14. Tome sorvete de flocos; 
  15. Aprenda a cantar uma música; 
  16. Coma bolo de chocolate amargo; 
  17. Deite na grama e relaxe; 
  18. Aprenda outra língua; 
  19. Plante outra erva medicinal; 
  20. Dê uma caminhada num parque; 
  21. Corra ao ar livre; 
  22. Escolha uma dança para aprender; 
  23. Escreva uma crônica; 
  24. Chupe um picolé de uva; 
  25. Durma numa rede; 
  26. Durma no chão de sua casa; 
  27. Brinque na gangorra; 
  28. Suba numa árvore; 
  29. Ande na chuva; 
  30. Abrace (sempre); 
  31. Plante outra árvore de frutos comestíveis; 
  32. Coma queijo com goiabada; 
  33. Fotografe; 
  34. Acabe algo que deixou pelo meio do caminho; 
  35. Jogue algo com velhos amigos; 
  36. Saia com um amigo; 
  37. Ouça a história de alguém mais velho; 
  38. Faça uma criança sorrir; 
  39. Releia o melhor livro que já leu; 
  40. Veja seu filme favorito; 
  41. Diga a alguém que o ama (se for verdade); 
  42. Agradecer (sempre); 
  43. Olhar as estrelas; 
  44. Analisar a forma das nuvens; 
  45. Beber muita água; 
  46. Fazer uma loucura (sadia); 
  47. Ensinar alguma coisa a alguém; 
  48. Beije; 
  49. Encontrar um seriado novo; 
  50. Ler um livro que ninguém leu; 
  51. Dê uma planta de presente; 
  52. Plante a mesma que você deu em sua casa.

E aqui, finalmenteeee
O meu presente 
Vergonha xD
Eu cantando Asa Branca

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Férias, sua linda! | #LiteratyTime


Olá queridos, tudo bem?

Estou participando de uma blogagem coletiva com o grupo no facebook Literaty Time. O tema atual é férias. Nada melhor, não é?
Avisando logo que tenho uma mente um pouco conturbada, e pensei em mil coisas que poderia fazer nesta postagem, mas acabei optando por essa. Espero que gostem!
Pensando nas semanas de férias, coloquei aqui sete coisas para serem feitas nos sete dias na semana.
Esta postagem é para você que passou o ano inteiro enclausurado em casa, estudando ou confinado em seu trabalho.

Detalhe: deve-se fazer essas coisas sempre, faz bem pra alma.

1. Ver o sol nascer;
2. Visitar o mar;
3. Ver um antigo amigo e conversar com ele durante uma tarde inteira;
4. Se jogar na grama macia de um parque;
5. Escrever uns poemas;
6. Começar a escrever seu livro (todo mundo tem algo para escrever);
7. Aprender algo novo (Já pensou em começar a desenhar? E cozinhar?).


E aí? Espero que tenham gostado!
Um beijo em todxs
"Vida longa e próspera!"

domingo, 6 de dezembro de 2015

Playlist Deboísta

Para você que está em constante estresse ou tem aquele amigo que está enchendo seu saco falando merda ou reclamando da vida...




Com você, a playlist deboas:

Queria ser uma Lagarta – Deus queira que na próxima encarnação eu venha lagarta (ra ta ta ta), só pra comeeer, todas as folhinhas da mata.

https://www.youtube.com/watch?v=6zHTf5z4xew

A raposa e as uvas – Lembro com muita saudade daquele bailinho, que a gente dançava bem agarradinho, a gente ia mesmo era pra se abraçar (Para ra pa para).

https://www.youtube.com/watch?v=ZilzHlaaw0U


Espatódea – Não sei se o mundo é bom, mas ele está melhor desde que você chegou e perguntou: Tem lugar pra mim?



Acho que Nando Reis nasceu pra escrever essas músicas haha
Relicário – Porque está amanhecendo se não vou beijar seus lábios quando você se for?



Essa agora também é para reflexão.

Perfeição – Veeeenha, o amor tem sempra a porta aberta e vem chegando a primavera...


Busca vida – Vou sair pra ver o céu, vou me perder entre as estrelas...



Balada de uma saudade – Mesmo se eu não te ver mais a saudade vai marcar em uma canção, tua imagem no meu coração.



Por amor – Por amor, seu amor modificou o meu viver...



O tempo – Os meus sonhos, o vento não pode levar, a esperança encontrei no teu olhar...


My confession – ôooooiaaa, this is my confession

https://www.youtube.com/watch?v=rnd8tAEoop4


Perdido de amor – Vem me namorar girl *-*


Bem gente, por enquanto é isso haha. Na próxima colocarei mais, essas são as que eu mais tenho ouvido, a playlist total é grande ;D
Espero que tenham gostado!


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Para os que gostam de ciências

Para os que gostam de ciências

Estive conversando com um amigo meu uns meses atrás sobre o “ser biólogo” – não sei se sabem que eu faço licenciatura em biologia, mas enfim – e em meio a essa conversa, chegamos ao assunto “grupos de leitura” e nos perguntamos o porque de nunca termos feito isso.

Bem, esse é um de nossos projetos, fazer um grupo de leitura e debate de livros. Não sei quando iremos começar, mas sei que iremos, rs.

Então, como nosso foco são as ciências, citamos alguns livros que vamos ler um dia, simplesmente por acharmos que esses livros todo estudante de biologia e/ou amante das ciências deve ler.


O primeiro: A origem das espécies, de Charles Darwin. Ele pode ser encontrado online em PDF pra quem quiser baixar. Embora ainda não ter lido, creio que será bem interessante ler algo na visão de um naturalista tão importante para a ciência como Charles Darwin.

Segundo: O ponto de mutação, de Fritjof Capra. Como aqui o foco é ciência, como não falar de Capra e de seus livros cheios de ideias? Aborda tópicos de várias áreas de uma forma até fácil de se ler.


Terceiro: A teia da vida, também de Fritjof Capra. Venho tentado ler esse livro desde o primeiro período, quando minha professora de biofísica pediu que fosse lido alguns capítulos deste livro para uma discussão em sala. Apenas em ler a parte da desconstrução da mecanicidade dos estudos da vida deixa você apaixonada por sentir as coisas terem um sentido.


Bem, Se tem alguém que gosta de ler uns científicos, aí estão. Ainda não li, mas recebi muitas recomendações desses!
Obrigada, até mais ;*

sábado, 28 de novembro de 2015

Ao mar



Basta um olhar, uma inspiração
Seu som acalma o coração
Seu cheiro preenche a alma
Sua brisa arrasta a dor
Suas águas o vento leva
Assim como leva
O meu amor

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Como diria Nação... Viva ZUMBI!


Hoje, no dia da consciência negra, escrevo sobre minha raça. Primeiramente, sobre minha vida.
Sou um exemplo de  mistureba haha, meu pai é negro (cabelo crespo, lábios grossos, nariz amassado) e sua família toda é negra e baiana. Minha mãe (já falecida), era branca (loira, olhos verdes, nariz afilado), sua família toda é da paraibana e branca.

Quando pequena uma mulher (negra), conhecida de minha mãe ao vê-la comigo nos braços falou: Tá vendo, você branca carregando uma negrinha nos braços.
Minha mãe respondeu: Deixe, pois é minha negrinha.

Quando minha mãe contou isso em minha adolescência, comecei a pensar em que mundo essas pessoas têm vivido.

Quem ainda não percebeu que todas as espécies tem suas variações? Até a manga tem. Quem nunca viu manda espada e manga rosa? Alguma deixou de ser manga? Não!
Quem nunca viu o caju vermelho e o caju amarelo? Deixou de ser caju? Não!

Fico pensando o quanto as pessoas têm se atado ao passado de forma a ignorar o que é comprovado até geneticamente, que todos somos iguais.

Como dizia em uma música de Catedral: Somos todos iguais. Na chegada e na partida, encontro e despedida, na jornada pela vida, sem saber.

Ainda torço por um mundo em que todos ouvirão aquele que veio há mais de 2000 anos e farão o que ele pediu. E não é uma coisa difícil.
“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo.”
João 15:12

Pois quem ama respeita.

O negro sofreu e ainda sofre às sombras do passado em que ele era tratado como propriedade. Mas olhemos bem... no Brasil, a escravidão foi abolida em 1888.
Façam as contas comigo... 2015 – 1888 = 127 anos.

São 127 anos e eu ainda sou obrigada a ouvir frases como essas abaixo:
- Por que você não alisa seu cabelo?
- Você não é negra. Sua pele é clara.
Claro, já meu nariz e eu cabelo são iguais aos dos europeus – sinta a ironia.

Não sou contra quem alisa o cabelo (Jamais serei), acho que as pessoas devem fazer o que querem com seu cabelo. Que o usem como acharem melhor, desde que se sintam bem e sejam felizes com isso.

Embora terem passado pelo que passaram, conseguiram subir. Agradeço aos grandes líderes negros que foi por causa deles que todos estamos aqui.
Agradeço pelos quilombos criados que não deixaram que a cultura se perdesse mesmo estando tão longe de seu país.
Agradeço pela música, pela dança, pela comida...
Agradeço pelo meus caracteres, minha cor, meu nariz, meus olhos e meus cabelos não seriam os mesmos sem vocês.

Agradeço por serem quem são, pois sou quem sou graças a vocês.

É isso.

Obrigada!

Música do título: Monólogo Ao Pé Do Ouvido (O som ta um pouco abafado)
Música de Catedral: Somos todos iguais.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

TAG Amo x Odeio




Olá, olá!

Fui tagueada pelo blog Menina das Frases para responder 10 coisas que amo e 10 coisas que odeio. Essa TAG foi criada pelo blog cherry cookie.


Adorei fazer. Espero que gostem também ;D


REGRAS DA TAG:

- Usar a imagem acima, que é o selo da tag;
- Indicar 10 blogs para a tag;
- Colocar o blog de quem criou a tag e quem indicou;

10 Coisas que eu amo:


  1. Olhar o céu;
  2. Admirar o mar;
  3. Aprender uma música nova;
  4. Escrever;
  5. Sentir o vento bater o rosto;
  6. Matar a saudade/ver meus amigos;
  7. Tirar uma nota legal;
  8. Dormir;
  9. Estar com as pessoas que amo;
  10. Comer bolo de chocolate (daqueles que ficam beeeem pretos);
  11. (Extra) Cheiro de terra molhada ♥


10 Coisas que eu odeio:


  1. Que maltratem animais;
  2. Que destruam a natureza;
  3. Que joguem lixo nas ruas;
  4. Que dêem as costas para o irmão necessitado;
  5. Que não amem ao próximo como foi amado;
  6. Que me enganem;
  7. Que me façam esperar;
  8. Que desmarque algo em cima da hora;
  9. Hipocrisia;
  10. Falta de respeito e amor.

Blogs Tagueados:


E aíiii, gostaram? Espero que sim ;D 
Vida longa e próspera a todos ♥
Até mais!

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Só queria ser livre

Pra quem não sabe, esta semana houve um caso de suicídio na UFPE. Uma estudante de geografia se jogou do prédio mais alto da faculdade, o CFCH.

Não sei o motivo e não cabe a mim julgar. Escrevi isso depois desse ocorrido e é impossível dizer que ele não me influenciou.


Só queria ser livre


Os dias não eram os mesmos de outrora, o futuro não era aquilo que disseram como iria ser. É duro quando as expectativas não são atendidas, é duro quando não acontece como foi planejado.

Ah, as expectativas...

Sentia a necessidade de ser livre, de sentir o cheiro de terra molhada, de sentir o cheiro que emanava das árvores, de sentir os ventos passando pelo couro cabeludo.

Até que um dia ela encontrou a solução.

Era um dia nublado, estava chuviscando, o cheiro de terra molhada estava no ar, as árvores floridas aromatizavam até a janela no 14º andar, onde ela estava agora. Por fim, só faltava uma coisa: o vento nos cabelos, tocando o couro cabeludo.

E então ela pulou, e assim pode senti-lo.


E foi libertada.

Fonte imagem: http://photos1.blogger.com/blogger/7820/1214/1600/pacto%20de%20felicidade.jpg

sábado, 7 de novembro de 2015

Nem Eu


Tudo tão distante
Diferente
Os sonhos, se ainda existirem, não são mais os mesmos
Nem os objetivos
Nem as pessoas
Nem eu

sábado, 24 de outubro de 2015

O nordeste nas canções de Luiz Gonzaga

O que falar sobre um livro que ao lê-lo só me trouxe arrepios e lágrimas nos olhos?

O livro é um puro festival de cultura e amor contado e cantado nas músicas do Rei do Baião.

Sinceramente, fiquei com lágrimas nos olhos ao ler algumas letras e lembrar nitidamente da minha infância, das festas juninas ao som de Luiz Gonzaga que falava do nordesde com muito amor e carinho.

Luiz foi realmente um dos maiores compositores e cantores da história. Humilde e nordestino, sofreu com a seca e com a fome que assolava a população do sertão. Em suas músicas cantou a fome, a seca e a beleza dos lugares por onde passou.

Cantou parte da cultura brasileira.

Esse livro, que está disponível em algumas escolas, é uma pequena análise do nordeste por meio das músicas de Luiz Gonzaga. Ótima edição, bem organizado e gostoso demais pra se ler.

É puro amor em livro ❤

sábado, 17 de outubro de 2015

Resposta da Carta ao meu amigo distante

Querida Joana,

Achei essa sua ideia fantástica.
Desde o nosso ensino médio que eu tento ter contato frequente com você. Espero que isso dê certo.
De certo resolveria nosso problema de nunca terminarmos o assunto, pois eu nunca consigo terminar o que eu quero falar com você.

Na verdade, eu nunca tenho coragem de falar o que eu quero falar com você. Eu nem mesmo sei mais se quero falar isso depois de tanto tempo.
Sei que parece estranho eu falar isso logo no primeiro e-mail, mas gostaria que você levasse em consideração todos esses anos de amizade.

Gostaria de sair com você, não como amigos, mas como possíveis namorados.

Espero que você não deixe de falar comigo. Ainda quero fazer esse lance de comunicação por e-mail.

Com amor, Lucas.


Carta ao meu amigo distante


Querido Lucas.
Sei que faz tempo que nós não nos falamos pessoalmente, nossos dias estão cheios demais para conseguirmos um tempo para botar o papo em dia. Quando paramos pra nos falar já tem passado mais de um ano e sempre falta algo para gente conversar.

Estou propondo a partir de hoje, que possamos sempre partilhar dos momentos de nosso dia a dia por meio de e-mails diários. Sempre que tiver um tempo livre, leia as novidades que eu mandar.

As pessoas prezam pelas amizades que continuam as mesmas mesmo depois de anos separados. Então estou buscando uma nova forma de preservar essas amizades. Dessa vez tendo tempo de falar tudo que queremos.

Agradeceria se você, meu melhor amigo mesmo depois de anos separados, participasse comigo dessa empreitada.

Com amor, Joana.
Essa foi para o desafio semanal do grupo do facebook Fanfic também é leitura. O tema dessa semana foi amizade.
No momento, tive muitas ideias de como escrever algo sobre amizade, espero conseguir desenvolver todas.
Espero que tenham gostado! ❤

Feliz dia das Crianças!

Atrasado, eu sei.

Esses dias têm sido muito corridos para mim (assim como minha vida inteira), por isso atrasei essa postagem de dia das crianças.
Eu estava matutando aqui em casa quando me lembrei de um desejo que tenho há muito tempo, que é o de ser contadora de histórias, então resolvi aproveitar o momento e fazer uma pequena homenagem tanto para esse dia quanto para uma amiga.

Eu fiz uma pequena história (bem besta) infantil falando um pouco sobre uma menina chamada Paula. Feito inspirado na minha amiga Paula Guimarães Tavares =)

Aqui está o link para download no 4shared.


Feliz dia das crianças!
Que o amor puro infantil esteja em nossos corações por toda a vida.
"Vida longa e próspera!"

domingo, 11 de outubro de 2015

Tortura

O grupo FTEL do facebook, resolveu propor pequenos desafios semanais para promover maior interação entre os membros do grupo.
Eu tinha esquecido totalmente disso por causa das correrias da semana e vi agora pouco a postagem que dizia o tempo limite para envio.

Estou postando um pouco mais tarde, pois estou sem internet no PC, só posso postar pelo celular e não é sempre que a 3g ta de bem comigo.
Sem mais delongas, vamos para o trabalho. Confesso que antes de tudo foi um desabafo por causa de um momento que estou passando em minha vida. Foi feito em menos de 20min, perdoem se tiver ficado muto idiota.

...

Foi terça-feira que isso começou.
Eu jurei que iria me esforçar, pois aquilo não podia continuar assim.
Eu estava engordando desenfreadamente, a falta de exercícios e o metabolismo mais lento que eu tinha adquirido depois que saí da escola estava tendo agora seus efeitos colaterais.

Mas eu disse que conseguiria.
Eu iria passar a comer menos, apenas o necessário. Nada de besteiras entre as refeições, apenas uma fruta ou outra.
Eu tinha de manter o foco.

Mas o que fazer quando a mãe de uma de suas melhores amigas trabalha com encomenda de doces?

Todos os dias.
Literalmente em todos os dias, desde que eu disse que passaria a comer menos, ela tem levado bolos para a faculdade.
Bolos recheados e cobertos com morango e doce de leite, ou de morango com leite condensado.

Inferno!

As comidas do restaurante universitário parecem estar cada vez mais gostosas, as sobremesas casa vez mais gordurosas.

Cada dia tem sido uma tortura…

Não comer no festival de massas, pegar apenas uma concha de feijão e uma colher de arroz, comer no vegetariano, pegar a sobremesa apenas uma vez, comer apenas duas colheradas do bolo que a mãe da sua amiga fez…

Fazer seu corpo aceitar sua nova vida mesmo quando em casa se tem macarronada enquanto tiver macarrão no armário.

Tudo isso me destrói.



quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Vá aonde os ventos te levarem

Eu sei que passamos parte de nossas vidas planejando o que fazer, sempre temos um objetivo. Ele é o que nos faz seguir um caminho que vamos traçando até alcançá-lo.

Mas nem sempre o alcançamos. Faz parte da vida.

Admito que planejei as minhas coisas por muito tempo, mas poucas deram certo. Agora pouco decidi ir aonde os ventos me levassem. E posso admitir que tem sido muito mais tranquilo.
Por mais que eu tenha quase todos meus horários preenchidos com aulas/estágio (voluntário), eu ainda consigo um tempinho para estudar e ajudar meus amigos com seus trabalhos também.
Posso estar andando só com a passagem, mas estou bem mais satisfeita por estar aprendendo novas coisas sem a pressão do compromisso de trabalho como horários, metas, obrigações...

Aconselho aos que estão com a vida afobada e estressante uns momentos como esses. As faculdades geralmente oferecem trabalhos voluntários em laboratórios, departamentos e com projetos interessantes.
Percebi que vivi “infeliz” com o que estava fazendo porque queria. Tudo estava ali.


Vá aonde os ventos lhe levarem.

Temporada das Flores

"Espera, amor, nossa temporada das flores..."
Conhecem essa música de Leoni? É linda... traz um ar de nostalgia que quase choro quando a ouço (rs).

Incrivelmente, a aula sobre flores de fanerógamas bateu com a temporada das flores, a primavera.

Ontem a noite, tivemos aula de flores na aula de morfologia e sistemática de fanerógamas, foi linda (exceto pela quantidade de conteúdo).
Não me surpreendi ao chegar em casa e encontrar o meu estojo desse jeito, pois conheço a turma que tenho ♥
(Eles poderiam ter colocado os bisturis, mas colocaram as flores.)

Talvez algumas pessoas ficassem irritadas se isso acontecesse com elas, mas eu não. 

Comecei a pensar... milhares de mulheres românticas passam grande parte da sua vida esperando para receber flores da "pessoa certa", que a amaria e que ela amaria de volta, mas na grande maioria das vezes, esses relacionamentos acabam de maneira conturbada e tudo o que as flores representaram naquele dia feliz, se foi.

Não fiquei irritada e acho que nunca ficaria, pois recebi flores de pessoas lindas que estão comigo todos os dias, que me dão muito carinho  e amor desde o dia em que os conheci, carinho esse que pensei que nunca fosse ganhar na faculdade.
E ainda mais as flores que foram usadas em um momento único, essa aula nunca mais se repetirá e eu consegui guardar uma lembrança dela graças a eles.

Como ficar irritada quando se ganha flores verdadeiras de pessoas verdadeiras?
Obrigada, queridos!
Podem ter feito isso por brincadeira, mas eu adorei ♥ 

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Meu medo

Era o pico da madrugada, já passava das duas da manhã, mas eu tinha que me arriscar, afinal tudo era culpa minha. Eu deveria ter feito isso logo quando cheguei em casa, mas me faltou coragem. Agora acho que me arrependo um pouco.

O pior é que o medo e a decepção viriam cedo ou tarde.

Levantei-me da cama com um pouco de dificuldade, meu corpo estava dolorido do dia, meu âmago me remoía.

Calcei as sandálias tentando fazer pouco barulho para não acordar os demais da casa, passei pela sala e fui para o cômodo ao lado. Confesso que a ansiedade tentava tomar conta de mim, mas eu tentava disfarçar a todo custo.

O que eu temia, aconteceu...

A geladeira estava vazia!



Fonte imagem original: http://1.bp.blogspot.com/-ws6ey_EGsQo/VW2KJbhsN9I/AAAAAAAABx4/SF0jUeymqlM/s640/geladeira%2Bvazia.png

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

História do desafio "Estações de Trem"

Olá, pessoal! Tudo bom com vocês?

Acho que comigo não tá muito não (haha), pois como alguém pode esquecer que tem duas histórias escritas?

Hoje vou disponibilizar uma que escrevi para o desafio "Estações de Trem" que foi proposto pela minha amiga (linda) e escritora Paula Guimarães.

A proposta era escrever acontecimentos que se passavam em diferentes estações de trem/metrô ao redor do mundo no mesmo dia (31/08).

A história foi postada no site de fanfictions Nyah Fanfiction, até agora tem cinco capítulos. O nome dela é Nos Trilhos do Mundo.

E aqui vai a minha...

DE UMA VENEZA À OUTRA

Por Gisele Santos

Era 31 de agosto de 2015 e eu estava na estação de trem de Veneza quando o vi, era moreno, cabelos lisos que tocavam os ombros com suavidade. Em uma de suas mãos levava uma mala que parecia conter sonhos de tão grande e estufada que estava. Agarrada à outra mão estava uma menina que saltitava ao seu lado, contendo sonhos também, só que dessa vez, em seus olhos.

Meio que um filme da minha vida começou a passar em minha mente. Os dias de minha infância em que eu vivia brincando na rua, do meu pai me levando pela mão às praças com ele, lugar esse que eu aprendi a jogar os jogos mais divertidos e viciantes com os senhores de idade que estavam lá todos os dias. Ele me levava exatamente com aquele homem levava aquela menina.
Consequentemente, me lembrei dos dias mais marcantes, dos dias de mudança.
Meus aniversários que eram comemorados em anos alternados, apenas nos pares, até chegar aos meus quinze anos. Depois desse dia, fiz um acordo com meus pais para que o dinheiro que seria gasto nas festas, passasse a ser guardado em uma conta para eu usar em algo quando eu fosse mais velha... participar de um intercâmbio ou apenas viajar.
Usei um pouco do dinheiro em minha formatura do ensino médio, o que ficou eu usei oito anos depois, quando eu nem me lembrava mais que tinha esse dinheiro.
Fiz minha graduação em Arquitetura e Urbanismo em uma faculdade pública de Recife, cidade que morei com meus pais e irmãos durante minha vida toda. Desde então, fiz minhas especializações na área e hoje estou com vinte e sete anos, em Veneza – nordeste da Itália, para fazer meu doutorado.
Minha maior surpresa foi quando meus pais chegaram e deram o cartão da minha conta no banco, aquela que eu nem me lembrava que ainda a tinha. Eles tinham colocado dinheiro em minha conta até depois que eu me casei, e eu só poderia mexer no dinheiro depois dos vinte e cinco anos.
            Eu havia me casado aos vinte e três, com muito sufoco de minha parte e de meu marido que no tempo estava fazendo mestrado em um estado diferente do meu. Nos casamos e tivemos três dias juntos, depois voltamos para nossas especializações.
            Minha mãe disse que ainda pensou em me ajudar com o casamento na época, mas desistiu, pois sabia que se eu precisasse realmente de algo, eu a avisaria.
            Passei todo meu mestrado viajando de ônibus, por ser mais barato, para visitar meu marido. Ele tinha mais facilidade em pegar caronas com caminhoneiros, até eu já tinha pego, mas ele não gostava, então ajudava com as minhas passagens e tentava vir de carona.
            Vivíamos de promoções e trabalho duro, mas nada disso nos separou.
            Quando eu engravidei, foi um momento de susto e felicidade.
            Eu tinha acabado de terminar meu mestrado e passado num concurso público. Meu marido também estava voltando de seu mestrado, poderíamos finalmente nos estabilizar em um lugar.
            Três anos depois, veio a grande surpresa. Fui convidada para fazer meu doutorado em Veneza. Na mesma hora fiquei aflita e sem saber o que fazer.
            De Recife para Veneza, de uma Veneza à outra.

            Tive todo apoio possível de minha família para vir pra cá. Estou aqui há um ano.
           
            Foi um ano sem ver minha filha e seis meses sem ver meu marido.
            Em nenhum momento desde que cheguei em Veneza, toquei no dinheiro que meus pais me deram. Exceto pra uma coisa.
           
E essa coisa foi o motivo para eu me levantar do banco em que eu estava sentada e ir ao encontro daquele moreno de cabelos longos, da criança que ele trazia em uma de suas mãos, e daquela mala de sonhos.


            Afinal, aqueles eram os meus sonhos também.

...



Espero que tenham gostado!
Agradeço ao pessoal do FTEL pela oportunidade de me fazer escrever sobre algo diferente. Foi pequeno, mas foi com amor.
Beijos, queridos, amo vocês <3

Que a palavra mais frequente na sua vida seja amor, pois dele tudo vem.

“Vida longa e próspera!”



Resumo da vida de um universitário

Estudos...
Passei!
Acorda cedo
Ônibus lotado
Gente sem tomar banho
Aula
Gente esnobe
Professor incoerente
Trabalhos
Trabalhos
Provas
Recuperação
Cansaço
Provas
Cansaço
Pesquisa
Iniciação científica
Faz artigo
Faz resumo simples
Faz resumo expandido
ABNT
Revista
Congresso
Estágio
Monografia
Colação

Formatura

*regado com um pouco de álcool para aguentar isso tudo.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Lanterna



Olá, olá. Espero que esteja tendo um ótimo dia!




Não sou muito de escrever coisas baseadas em músicas (mentira!). Mas hoje resolvi mudar um pouco e fiz uma seleção de algumas músicas para eu escrever algo baseado nelas.

Lanterna dos afogados de paralamas do sucesso foi a primeira. Sou apaixonada tanto pela música quanto pela banda.





"Quando tá escuro e ninguém te ouve. Quando chega a noite e você pode chorar"




Tinha acabado de chegar em casa, cansada demais para preparar algo para comer, já passava das nove da noite. O problema era que, se eu ficasse com fome, provavelmente choraria até dormir, ainda com fome e acordaria bem pior.

Sempre fico mais depressiva quando estou com fome.

Algum tempo depois, por volta de dez minutos, meu marido chegou. Ele parecia estar na mesma situação que eu, talvez até pior.




"Há uma luz no túnel dos desesperados. Há um cais de porto pra quem precisa chegar."




Olhei para o telefone com esperança, Pedro também. Ele sabia qual a nossa única alternativa, já que nenhum de nós iria cozinhar a essa hora.

Fui até a gaveta que ficava abaixo do telefone no criado-mudo e, como quem rouba, peguei uma pequena carteira onde continha vários pequenos cartões de restaurantes, lanchonetes e pizzarias da cidade e das cidades vizinhas.

Segurei em minhas mãos o da pizzaria e rapidamente telefonei para lá. Geralmente pizza era feita mais rapidamente do que outros pratos.




"Eu tô na lanterna dos afogados, eu tô te esperando, vê se não vai demorar."




Eu disse ao cara da pizzaria: vê se não vai demorar…




"Uma noite longa pra uma vida curta, mas já não importa, basta poder te ajudar."




Como sempre acontecia, quando mais precisávamos, o tempo passava devagar. Eu já tinha me arrumado e estava esperando Pedro fazer o mesmo para esperar a pizza comigo. Talvez assim, com ele ao meu lado esperando uma pizza, a vida aparentaria ser melhor.




"E são tantas marcas que já fazem parte do que eu sou agora, mas ainda sei me virar."




Escorei-me nele quando ele voltou e se sentou ao meu lado. Eram poucas as vezes que eu fazia isso, ele não gostava muito de contato físico.

Não que ele tivesse se afastado alguma vez, mas eu o conhecia bem. Eu era feliz por ele me deixar fazer isso, por ser a única que ele o deixava fazer.




"Eu tô na lanterna dos afogados, eu tô te esperando, vê se não vai demorar…"




Talvez Pedro estivesse com tanta fome (tanta fome quanto eu) e nem prestava atenção nessas coisas. No rádio tocava uma música de Paralamas do sucesso, bem famosa por sinal



Talvez ele estivesse pensando o mesmo que eu quando liguei para a pizzaria, que era como um mantra que saía dos caixas de som…




"Vê se não vai demorar…"

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Quando eu entrei na faculdade

Lembro-me do dia em que cheguei aqui. Do quanto eu dormi na aula magna, do quão exausta eu estava ao ir pra sala ouvir a coordenadora do curso falar umas baboseiras que nos fizesse querer continuar no curso, tentando diminuir o índice de evasão, em vão.

Lembro-me das aulas de bioquímica com um professor metódico, das aulas de metodologia científica com o professor louco.

Das aulas de fundamentos que me envolveram tanto quanto as de biofísica.

Do sistema binário que o professor de informática passou sabendo que tempos depois, talvez no dia seguinte mesmo, esqueceríamos.

Das lâminas, dos microscópios que deixavam minha visão cansada doendo ainda mais por causa da luz.
Do cheiro de laboratório, das bancadas que até hoje tenho vontade de abraçar quando vejo uma.

Lembro com nostalgia dos colegas que foram embora, seguiram suas vidas longe da minha.

Lembro de cada coisa daquele tempo que me ajudou a ser o que sou hoje.

E agradeço.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Dia do Biólogo

Atrasado, eu sei, mas venho prestar essa homenagem a minha raça linda ♥



Juro pela minha fé e pela minha honra e de acordo com os princípios éticos do Biólogo, exercer as minhas atividades profissionais com honestidade, em defesa da vida estimulando o desenvolvimento Científico, Tecnológico e Humanístico com justiça e paz.

Feliz dia do biólogo, amores!


quarta-feira, 15 de julho de 2015

Como eu ganhei meu dia



Era um dia comum.

Eu tinha acabado de entrar férias de tudo, trabalho e faculdade.



Estava sentada em minha cama lendo algumas coisas quando resolvi baixar um aplicativo de cifras para treinar, fazia muito tempo que eu não tocava no violão.

Então o fiz. Baixei o aplicativo e fui para o sofá com o violão.

Eu estava tocando Dormi na praça de Bruno e Marrone, quando meu irmão abriu a porta e os três filhotes de gato de dois meses que temos aqui, entraram.

Dois foram direto pra cozinha a procura de alguma sobra para comer.



Mas um não. Ele subiu no sofá e se sentou em uma das minhas pernas e ficou me olhando tocar.

E quando eu parei de tocar, ele ficou se esfregando em mim, como se pedisse pra tocar mais.



E assim eu ganhei o meu dia, com um gesto tão simples logo pela manhã.

domingo, 12 de julho de 2015

Essência

Sei ler e escrever desde cedo, desde os quatro anos de idade pra ser mais exata, hoje escrevo muito, mas quando criança eu nunca soube realmente pra que servia aquilo.
As letras, as palavras... Eram apenas um meio de comunicação. Um meio de comunicação entre aluno e professor. Eu nunca escrevia além das minhas tarefas de casa.
Eu lia muitos livros, principalmente os contos de fadas. Eram lindos,mágicos e perfeitos.
Quando pré-adolescente, tive que comprar um livro pra fazer atividades na escola, Alice no país das maravilhas, um clássico.

A partir daí não parei mais.

Foram muitos livros, muitas aventuras...
Até que comecei a escrever, com uns doze ou treze anos.
Minha escrita era horrível, mas só percebi isso quando peguei nos meus rascunhos uns cinco anos depois, rs.

Tudo começou quando em um dia, enquanto procurava imagens de um casal que eu gostava na rede (Gwen e Kevin de Ben 10), encontrei uma história escrita, muito legal, que era totalmente diferente do que eu via nos desenhos.
Descobri no mesmo dia que aquilo era chamado de fanfiction, ficção criada por fãs.
Pesquisei mais e encontrei vários sites que tinham como foco histórias assim.

Isso aconteceu uns sete anos atrás... Tudo passou tão rápido.

Desde esse dia, embarquei num mundo novo, onde li muito. Demorei a começar a postar em sites, mas quando comecei escrevi muitas coisas e conheci pessoas maravilhosas que dividiram e dividem comigo essa paixão.


Escrever deixou de ser apenas um meio de comunicação, se tornou parte da minha essência.

sábado, 27 de junho de 2015

E a falta de amor

Ele decidiu quem queria ser
Como queria viver
Usou do direito que lhe foi dado
Que é dado a todos

Mas alguém achou que ele estava errado
Que a vida dele era errada
Então o machucou

Não só  ele
Mas a família inteira
Os amigos
Os amigos de amigos

E por isso ficou

Por causa de um que o achou errado
Ele se foi

E esse um continua livre
Vivendo sua vida "certa"

Enquanto o errado ficou pra trás
Jogado no meio da estrada
Com o corpo cheio marcas
Da intolerância
E da falta de amor

Por ser Maria

E se foi mais uma Maria
Vítima da natureza
Por ter nascido bonita
Vítima de ser o que é

Por fazer o que gosta
Por usar o que gosta
Por ser quem era
Por não ter os mesmos direitos

Por viver a vida
Maria a perdeu

Por ser Maria

Coisas que se faz desde criança

Tive inspiração pra escrever essa postagem hoje, no café da manhã. 

Enquanto mergulhava o pão no café pensei: caramba, eu tenho 22 anos e ainda faço isso.
Assim, deduzi que mais pessoas também ainda fazem as mesmas coisas de quando era criança.
Resolvi perguntar a eles e pedir a autorização pra postar aqui no blog.

E como resultado? Vieram as mais diversas e engraçadas:

“Eu tenho mania de deitar pra dormir com a testa colada na parede.”
“Eu tenho mania de ir no restaurante e pedir sempre comida, a sobremesa e comida de novo.”
“Não chupo chiclete dentro de casa.”
“Estalo todos os ossos do corpo”
“Ficar fazendo barulho com a boca (igual ao Burro de Shrek) só pra perturbar os outros”
“Batucar sempre que ouço uma música que gosto.”
“Quando ando, não piso nas linhas que dividem o piso.”
“Também tenho mania de morder a parte de dentro da boca.”
“Tenho mania de bater a perna.”
“Nunca durmo de costas à porta”
“Gosto de comer coisas em triplicata, 3 laranjas, 3 balas, 3 bombons, 3 colheradas de arroz kkk”
“Ainda amo sapos, e compro pelúcia deles sempre que posso.”
“Não durmo com os pés descobertos.”
“Resolvo qualquer dilema com jokenpo”
“Não durmo de costas para a porta, nunca, JAMAIS!”
“SÓ durmo com o travesseiro no meu pé, nunca na cabeça, odeio.”
“Dormir no escuro? Jamais!”
“Tenho mania de roer as unhas.”
“Durmo com fraldinha ao lado do travesseiro.”
“Todas as noites, rezo a mesma oração que criei quando criança.”
“Minha comida não pode se tocar.”
“Faço xixi antes de dormir, hábito que na época foi criado pra evitar xixi na cama.”
“Sempre durmo de conchinha”
“Quando vou dormir, tem que ter algo do meu lado na cama, seja um travesseiro ou um ursinho de pelúcia.”
“Ler gibi numa ordem de personagens.”
“Dormir abraçada com o travesseiro”
“Mania de dormir com roupa larga ou maior, pq é mais confortável.”
“Durmo com um travesseirinho... kkk mania minha desde criança, tenho que dormir abraçada com algo.”
“Falar sozinho.”
“Cantar e dançar RBD até hoje kkkk” Eu entendo, afinal RBD é RBD Haha!
"Não durmo com portas ou janelas abertas, não consigo!"

E aí, gostaram? Tem cada uma sem noção (tipo a da triplicata)!

Gostaria de agradecer a todos amigos que me ajudaram com essa postagem. Sem eles, eu teria procurado na internet e colocado dados de desconhecidos aqui. xD

Essa foi pro pessoal dos grupos: FTEL, Consultório Coffee e o outro que eu prefiro não mencionar o nome, pois aquelas quengas são depravadas demais.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Torcendo pelo dia em que o raro se tornará comum

Com este tema eu me inspirei pra escrever hoje ao ver uma reportagem que dizia o seguinte: Escola no Recife adota cães para que os alunos aprendam sobre respeito e cuidado.

A atitude e a metodologia que estão usando é fantástica. Sem aquelas coisas de só dizer o que fazer, eles estão fazendo acontecer aquilo que eles ensinam nas salas de aula.
Agora, qual o motivo disso ser tão destacado em noticiários se todos devem fazer isso todos os dias?

As pessoas se esqueceram do que é o “fazer o bem sem olhar a quem” do “amai ao próximo como a ti mesmo”.

E ações assim se tornam extraordinárias, e são.

Mas imaginem como seria se todos fizessem...

Uma reportagem sobre algo diferente seria uma reportagem sobre um modo de vida.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Oh, Lóris =/

Como sempre, todos os dias me deparo com algo revoltante, principalmente por atos de humanos contra os animais.

Hoje, me foi exposta a história de Lóris, o único primata venenoso.
Embora venenoso, ele é muito fofo. Vídeos dele no youtube mostram o quanto ele é fofinho.

Mas o problema é que, o ser humano não consegue ver algo bonito e deixá-lo na natureza do jeito que deve ser.

Sabe o que estão fazendo com esses primatas?

Lhe tirando os dentes, por onde expelem o veneno para que possam ser comercializados.

Fora que são usados para outras coisas nas cidades próximas ao local em que vivem.

Para saber mais: http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic/blog/curiosidade-animal/loris-primata-venenoso-ameacado-de-extincao-trafico-de-animais-videos-no-youtube/

http://www.int-res.com/articles/esr_oa/n023p205.pdf

Até quando?

Estive calada por todo esse tempo quanto ao caso da aluna de biomedicina da UFPE que morreu em um acidente de ônibus.
Sim, existe agora o chamado acidente de ônibus.
Ela foi arremessada do ônibus quando ele abriu a porta em movimento. Ela caiu, foi socorrida, mas morreu.

Jovem demais, talvez com coisas importantes para se fazer, se foi.

Depois do caso dessa garota, veio um caso com um aluno na UFRPE, que ia subir no ônibus, quando o motorista saiu sem que ele tivesse subido, acabou sendo jogado longe do veículo também.

Fico me perguntando até quando isso vai acontecer, quantos estudantes universitários morrerão em tragédias como essas.

A sistemática que vivemos é ruim, essas tragédias foram prova disso.
Como sempre, os que necessitam do serviço público sofrendo as consequências das falhas dele.

Enquanto o filho do rico anda de carro para todos os lados, o filho do pobre deixa sua vida em uma parada de ônibus.

Até quando?

domingo, 14 de junho de 2015

O mesmo de sempre

Era ele lá novamente.
O mesmo jeito, a mesma bolsa de anos atrás.
O mesmo tamanho, eu acho.

E eu, mesmo depois de anos, tendo a mesma reação, a mesma ansiedade, felicidade e aflição ao mesmo tempo.
Afinal, assim como ele, eu ainda era a mesma de antes.
O mesmo jeito, a mesma bolsa.
As mesmas idiotices de quando tinha 17 anos.

Por que não basta ser loucamente apaixonada pelo mesmo cara há anos, tem que encontrar ele nas mesmas situações que nos levaram a encontros mágicos.

Ele me vê e sorri, e eu tento não falhar as passadas e cair de cara no chão. Sorrio como sempre fiz e chego em frente a ele para abraçá-lo.



E é apenas isso. O mesmo de sempre.

domingo, 7 de junho de 2015

Sistema



E é sempre assim.

Você passa horas estudando, cada tempo livre seu é pra estudar, dá seu máximo nas provas, mas mais uma vez, suas notas são baixas.

A motivação, a força de vontade vai embora. O que eu fiz de errado? Eu me esforcei, eu tentei.

Afinal, como todos dizem “prova não avalia aluno”.

Não é o que dizem... Pelo menos não é o que a minha nota que está no sistema.

Não falto aulas, faço os trabalhos extras, mas a nota da prova é ruim, e sou avaliado apenas por ela.

Você pensa “Ainda dá pra recuperar”, sempre dá.

Mas você não sabe até quando isso vai durar. Talvez uma hora não dê pra recuperar.



E você vai ficar pra sempre sendo escravo de um sistema que lhe avalia pelo momento, não pela vida inteira.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Músicas que fazem seu dia mais nostálgico parte 1

Amor pra recomeçar
“Desejo que você tenha a quem amar, e que quando estiver bem cansado que ainda exista amor pra recomeçar...”

Pescador de ilusões
“Valeu a pena eh, eh! Valeu a pena eh, eh! Sou pescador de ilusões.”

Robocop Gay
“Abra sua mente, gay também é gente. Baiano fala oxente e come vatapá...”

Vento no litoral
“Eu deixo a onda me acertar, e o vento vai levando tudo embora...”

Espatódea
“Não sei se o mundo é bom, mas ele está melhor desde que você chegou e perguntou... tem lugar pra mim?”

Você pediu e eu já vou daqui
“E quando um dia isso acontecer, de você querer voltar pra mim. O meu perdão eu vou saber lhe dar e jamais eu direi que um dia você conseguiu me magoar.”

Lindo lago do amor
“Ele tomou um banho de água fresca num lindo lago do amor.”

A morte do vaqueiro
“Gado muge sem parar, lamentando seu vaqueiro que não vem mais aboiar.”

Tocando em frente

“Conhecer as manhas e as manhãs, o sabor das massas e das maçãs.”

Carma



Não que eu acredite nisso, mas meu carma hoje está daquele jeito.
Nem que eu saiba muito o que carma significa, só sei que é o que as pessoas dizem quando uma sucessão de fatos ruins acontecem em sua vida.

Vamos ao meu dia:

Primeiro, metrô cheio em pleno feriado. O que eu estava indo fazer ao pegar o metrô no feriado? Trabalhar! Nem no feriado eu descanso.
Chego atrasada por causa do onibus que atrasou. Além do metrô ainda tenho que pegar ônibus.
E quando chego lá, uma pilha de trabalho que os outros acumularam. Acabou que ficou tudo pra eu fazer.

E agora, na volta, está a mesma coisa. Só que adicionem um acidente no meio da BR ao trajeto do ônibus.
O metrô, cheio do mesmo jeito. Minha mochila não me deixava me acomodar bem, ninguém a segurava.

Até que um garoto que tinha acabado de conseguir se sentar me chamou e a pegou.

Pegou a minha e de muitas pessoas ao redor. Quase não se via ele debaixo de tantas sacolas e mochilas.
As pessoas que estavam sentadas perto dele, mais velhas, tentaram não olhar, ficaram envergonhadas com a ação do garoto.

Ele fez o que ninguém tinha feito até aquele momento.


A educação e a bondade desconsertam as pessoas.
E o que era considerado normal para aquelas pessoas, deixou de ser.


E o dia se tornou um pouco melhor, ao perceber que existem pessoas da nova geração que fazem pequenas coisas pra mudar o dia exaustivo das outras.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

O pouco que sobrou



Hoje eu ouvi uma senhora falar de um caso em que uma cobra havia sido solta na mata após ter matado uma galinha e a engolido. Ela reclamava dizendo que o animal deveria ter sido morto, pois poderia matar gente.

Então eu comecei a pensar sem expor minha opinião a ela...

Será mesmo que aquela cobra era uma ameaça para a humanidade? Quantas vezes ouviu-se falar de uma cidade inteira morta por cobras? Quantos animais se uniram e saíram de seu lugar para batalhar contra o homem?

Agora quantas vezes ouviu-se falar de cidades destruídas pelo próprio homem? Quantas espécies de animais estão extintas por causa da exploração? Quantas plantas raras? Quantas florestas desmatadas? Quantos mares contaminados?

A cada segundo que passa o homem vem em direção a beirada do precipício que ele escalou em tão pouco tempo. E o pior de tudo é que ele parece fazer questão de levar o resto do planeta junto com ele.

Tire uma espécie da natureza e veja a falta que ela faz. Depois tire o ser humano e faça a mesma comparação.


Qual o resultado?




Quando o livro te indica alguém



Era um dia normal para mim, a diferença era que hoje a faculdade estava voltando às aulas.

Bom... pelo menos parecia ser um dia normal.

Saí de minha casa e fui em direção à estação de metrô, que era bem próxima. Paguei minha passagem e fui à plataforma para esperar a condução.
Não demorou muito para o metrô chegar, por estar no meio da tarde, ele estava relativamente vazio, logo, consegui sentar.
Durante o caminho, me distraí lendo um livro muito bom que já estava há um bom tempo guardado no meio de minhas coisas.

Não sei como foi nem em que momento foi, só sei que quando dei por mim, já estava o olhando.

Ele estava em minha frente. Os cabelos ondulados caíam sobre os olhos e ele hora ou outra se virava para olhar o caminho pelo qual o metrô passava.
Em suas mãos, estava um livro de mesmo título do que eu estava lendo.

Ele pareceu perceber que estava sendo observado e olhou pra frente, em minha direção.

Eu não parei de olhar. Nem ele.



Sorrimos.